Passar para o Conteúdo Principal Top
Hoje
Máx C
Mín C

Poesia, Emoção e Arte na Homenagem a Manuel Alegre, Prémio Camões 2017

Homenagem a manuel alegre 01 1 1024 2500
28 Setembro 2017

Decorreu no passado dia 22 de setembro, no Auditório do Centro de Artes de Águeda (CAA), a sentida homenagem da Câmara Municipal de Águeda ao escritor Aguedense Manuel Alegre, recentemente galardoado com o maior prémio literário da língua portuguesa: o Prémio Camões 2017.

Foi levado a palco o espetáculo “Alma, Cantata Profana”, numa clara homenagem a aquele ilustre Aguedense e, no fundo, dedicada a todos os Aguedenses. Antes do espetáculo, realizou-se a apresentação de diversos testemunhos sobre a vida e obra de Manuel Alegre, entre os quais Paulo Sucena, Lídia Jorge e António Lobo Antunes.

A cerimónia de homenagem contou ainda com a intervenção do Assessor do Ministro da Cultura, Fernando Pinto do Amaral, que abordou a importância da obra de Manuel Alegre. Gil Nadais, Presidente da Câmara de Águeda, não poupou palavras ao bardo d’Águeda “que nunca esqueceu a sua terra natal, Águeda, e a sua obra literária reflete isso mesmo, a sua obra Alma espelha não só as suas memórias de Águeda, mas o seu amor à terra onde nasceu, cresceu e recebeu os valores que nortearam a sua vida“.

A actriz Maria do Céu Guerra declamou, como só ela sabe e é capaz, alguns poemas de Manuel Alegre, num momento intenso com a plateia esgotada de pé. Manuel Alegre emocionou-se com as palavras e a homenagem que o seu povo de Águeda lhe dedicou através da Câmara Municipal.

Recorde-se que após a incrível e dedicada adesão do público ao espetáculo que marcou a inauguração do CAA, em maio de 2017 – “Alma, Cantata Profana op. 23” - desde logo se revelou imperativo repor esta obra musical tão simbólica para a cidade. “Alma” parte de uma composição musical original, e textos de Manuel Alegre, o que se justificou com a merecida homenagem da autarquia ao poeta.

Recorde-se que o júri do Prémio Camões de 2017, composto por seis escritores lusófonos, decidiu em reunião na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro no dia 8 de junho passado distinguir o escritor Manuel Alegre “Pela contribuição para o enriquecimento dos patrimónios literário e cultural da língua portuguesa", como vencedor do Prémio Camões de 2017.

“Alma, Cantata Profana, op.23” (2008), obra com música de Luís Cardoso e textos de Manuel Alegre, foi interpretada por Margarida Reis (Mezzo-Soprano solo) e por cerca de 350 intérpretes dos seguintes artistas e grupos corais, num espetáculo de verdadeiro impacto visual e sonoro:
- Orquestra Municipal de Águeda (constituída pela Sociedade Musical Alvarense, Sociedade Recreativa e Musical 12 de Abril, Banda Marcial de Fermentelos, Banda Nova de Fermentelos, Associação Musical e Recreativa Castanheirense), direção de Luís Cardoso
- Mário Marques (Saxofone Tenor Solo),
- Sérgio Carolino (Tuba Solo)
- Mário Marques (Saxofone Tenor Solo)
- Sérgio Carolino (Tuba Solo)
- Margarida Reis (Mezzo-Soprano solo)
- Coral Polifónico Cantate Iubilo
- Coro Juvenil do Conservatório Águeda
- Coro Misto da Cruz Vermelha
- Coro Sul Family
- Grupo Coral da Santa Casa da Misericórdia de Águeda
- Grupo Coral Jovem de Arcel
- Grupo Coral Ré-Canto
- Orfeão de Águeda
- Orfeão de Barrô
- Orfeão de Recardães
- Orfeão do Paraíso Social de Aguada de Baixo
- Orquestra Municipal de Águeda, constituída pela Sociedade Musical Alvarense, Sociedade Recreativa e Musical 12 de Abril, Banda Marcial de Fermentelos, Banda Nova de Fermentelos, Associação Musical e Recreativa Castanheirense.